A emoção ParaTodos

IC4bFPgV

Quando fui assistir ao longa de Marcelo Mesquita, o ParaTodos, fui de “cara limpa” pois sabia que o choro – a emoção – era algo certo. E não deu outra. Não chorei só por me identificar. Chorei pois é lindo. Chorei pois ele conseguiu puxar a emoção mais sincera de mim. Sabe aquela emoção que flui? Que – apenas – vem? Pronto, foi o que eu senti.

Para mim ali não tinha “muitas” novidades. Já conhecia a vida de três personagens mas não sabia de algumas “curiosidades” – ou coisas que a mídia não mostra – do mundo dos paratletas. Estou falando, principalmente, das provas que definem as classes deles.

MAKINGOF_TOKYO_SALA12_2

Conheci o mundo do Futebol de 5. Sabia da sua existência mas não sabia como funcionava. Chorei. Chorei pra caramba. Belos momentos captados pelo diretor. Destaque para a montagem, principalmente, desta parte do filme. Um ritmo lindo. Incrível. E melhor ainda quando temos na trilha a ajuda dos próprios atletas. Parabéns!

Atletismo, Canoagem, Futebol de 5 e Natação são os esportes que foram acompanhados durante 3 anos de produção do filme. 3 anos pois a produção acompanhou os campeonatos mundiais e competições pelo mundo. As Imagens tão lindíssimas. Daquelas que vem com sentimento, sabe? O roteiro? Tá ótimo. Nada a destacar pois o que os atletas falam já se tornam destaque.

E oito foram os personagens: Alan, Teresinha Guilhermina e Yohansson (atletismo), Ricardinho (Futebol de 5), Fernando Fernandes e Fernando Cowboy (Canoagem) e Daniel Dias e Susana (natação). Dá para chorar com as histórias de todos? Sim. Dá. Mas dá mais ainda para sair da sala do cinema orgulhoso de ter verdadeiros heróis no esporte brasileiro.

Sentimento é esse. Orgulho. Orgulho por aquelas pessoas existirem. Pessoas que são exemplos Para Todos.

(juro que este final não foi proposital! Apenas veio! kkkk <3 )

Gostou do meu post? Então compartilha!

Carol Cruz

Uma pessoa completamente apaixonada pela cultura (por todo tipo de cultura), uma produtora vidrada pelo mundo do teatro, principalmente dos musicais. Viciada em uma adrenalina de uma produção, seja ela em um ao vivo ou em um evento. Fofurices me encantam mas Caetano também. Escreve culturalmente através deste blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *