#CinemaNacional! Sessão Vitrine Petrobras traz filmes brasileiros para mais perto do público!

unnamed

Na tarde da última sexta-feira (3), em uma coletiva de imprensa,  foi lançado oficialmente o Sessão Vitrine Petrobras, projeto que trará o cinema brasileiro para mais perto do público, com preços e sessões mais acessíveis. Estavam presentes: Rosana Alcântara (Representante da Ancine – na verdade, ontem foi o seu último dia na gestão da Agência), Carolina da Cruz Costa (Petrobras), Talita Arruda e Silvia Cruz (Vitrine Filmes), e os diretores de cinema Leandra Leal (Divinas Divas), Paulo Cesar Toledo (Waiting for B.), Davi Pretto (Rifle) e Vicent Carelli (Martírio).

Vale começar o post falando que em 2011, quando a Vitrine Filmes surgiu, a distribuidora lançou o projeto Sessão Vitrine com o objetivo de formar novas plateias e fortalecer o circuito audiovisual brasileiro. Foi um sucesso! “Em 2011, 0s filmes ainda não chegavam nas salas de cinema, foi daí que surgiu o projeto”, explicou Silvia durante a coletiva de lançamento. E agora, em 2017, o projeto retoma às salas de cinema independentes com o patrocínio da Petrobras e apoio da SPCine e da Ancine.

Segundo Silvia, para o Sessão Vitrine voltar, durar e ter uma maior qualidade, eles precisavam de um patrocínio, principalmente para os ingressos. Por sempre lembrar e ter saudades do “eterno” Curta Petrobras às 6, ela imaginou que a empresa apoiaria a ideia. Foi aí que a Petrobras aceitou e o projeto virou Sessão Vitrine Petrobras.

Para complementar a fala de Silvia, Carolina, da Petrobras, lembrou da importância da empresa para o Cinema Brasileiro durante a Retomada, lembrou dos 500 longas brasileiros que já patrocinaram, dos 15 festivais do ano de 2016 que apoiaram, ressaltando que a Petrobras participa desses projetos com o objetivo de incentivar a produção e formar um novo público para os filmes do cinema nacional.

Mas o que é e como funcionará o Sessão Vitrine Petrobras?

O Sessão Vitrine Petrobras lançará a cada quinzena uma estreia nacional em diversas salas de cinema independentes de 20 cidades brasileiras, e os ingressos custarão no máximo R$12,00 (inteira). Cada filme será exibido por duas semanas seguidas com sessões diárias* e no mesmo horário – às 19h30 – em todos os locais escolhidos. “A ideia de ficar duas semanas seguidas em cartaz é tentar mudar essa programação de modelo tradicional”, explicou Silvia, que comparou a programação do projeto com programações de peças teatrais, pois são produções que o público normalmente tem mais tempo para poder assistir.

As cidades, salas e filmes já estão confirmados. O projeto estará em 20 cidades, 28 salas e terá 245 sessões. Caso alguma outra sala de cinema também queira entrar no projeto, basta enviar um e-mail para a equipe da Vitrine mostrando o interesse. O mesmo vale para outros filmes que não entraram na programação.

Talita Arruda, também representante da Vitrine Filmes, comentou na coletiva sobre a curadoria. Ressaltou que eles tiveram a atenção em trazer produções de todo o país, formando um projeto descentralizado. Filmes com uma temáticas mais “rebuscada”, que gere mais debates, também chamaram mais atenção na hora da seleção. Filmes da Vitrine, mas com um formato de distribuição tradicional, como os da Globo Filmes, ficaram de fora por realmente não se encaixarem no propósito do projeto, que é trazer esses filmes que normalmente são mais vistos em festivais, e que tem pouco espaço no circuito.

Sobre a programação, eles também vão tentar relacionar as exibições com o calendário de datas comemorativas, por exemplo: o filme Waiting for B., de Paulo Cesar Toledo, será exibido durante a época de carnaval, por falar sobre os fãs brasileiros da cantora americana Beyoncé, e pela própria “diva pop” ser tema de uma das escolas de samba que irá desfilar na avenida.

Algumas das exibições serão pré-estreias e/ou terão debates pós filme, com a presença dos realizadores ou de algum representante. Nem todos os cinemas receberão os diretores e produtores dos filmes, pois seria algo muito complicado pela quantidade de cidades que o projeto atinge. Provavelmente eles poderão escolher 3 cidades, sendo uma delas a sua cidade natal.

O projeto, que fará sua estreia com o filme A Cidade Onde Envelheço (MG), de Marília Rocha, também contará com o Cartão Fidelidade que dará ao público a oportunidade de comprar os ingressos por um valor um pouco menor. Fazendo o pacote semestral ou trimestral, o ingresso sairá por R$10,00 (inteira). Para Silvia, a ideia do cartão é que o público se sinta parte e faça parte do Sessão.

Para os diretores, este projeto é uma grande oportunidade para as suas produções. Leandra comentou: “Estou muito feliz como público e, principalmente, como realizadora!”. “Tentar lançar ele (o filme) de forma tradicional é até um pouco estranho, pois a gente sabe que nós vamos naufragar nele. (…) É muito duro a gente resistir. Então, o projeto é uma maneira da gente lutar contra isso”, comentou Davi Pretto. Já Paulo brincou dizendo que achava que o filme dele ia direto para o Youtube. Já Vicent disse: “Construir essa rede entre realizador e distribuidor é sensacional!”

Leandra e Davi complementaram dizendo que sempre fazem seus filmes pensando no cinema (estrutura física). Mas, a diretora de Divinas Divas também ressaltou a importância do seu filme está em outras plataformas para os jovens poderem ver.

“A ideia é que o projeto seja anualmente, e não pare em 2017!” – Silvia Cruz.

Vicent Carelli, Paulo cesar Toledo, Davi Pretto, Leandra Leal, Silvia Cruz, Talita Arruda, Carolina da Cruz Costa, Rosana Alcântara e Francisca Manuel (atriz do filme "A Cidade Onde Envelheço") durante a coletiva de lançamento do Sessão Vitrine Petrobras. Foto: Carolina Cruz/ Culturalmente Falando.
Vicent Carelli, Paulo cesar Toledo, Davi Pretto, Leandra Leal, Silvia Cruz, Talita Arruda, Carolina da Cruz Costa, Rosana Alcântara e Francisca Manuel (atriz do filme “A Cidade Onde Envelheço”) durante a coletiva de lançamento do Sessão Vitrine Petrobras. Foto: Carolina Cruz/ Culturalmente Falando

*Os cinemas com apenas uma sala terão sessões semanais, para não atrapalhar toda a programação do local.

Ainda sobre a Coletiva

Vale comentar que o avanço do cinema brasileiro também foi um assunto bastante discutido na tarde de ontem, pois no dia anterior tivemos o anúncio da Ancine sobre o fechamento do ano com números de vendas, exibições, produções e etc. Rosana, representante da Agência Nacional do Cinema, falou sobre o crescimento da bilheteria, pois foram 134,3 milhões de ingressos vendidos, sendo que 40 desses ingressos eram para filmes brasileiros, e  sobre o aumento da qualidade das salas. A Ancine fechou o ano com 3.178 salas de cinema, sendo 99,6% digitalizadas, ou seja, com maior qualidade. Um exemplo disso é a sala do Cinema São Luiz e do Cinema do Museu (Recife). Talita também fez questão de lembrar do número expressivo de produções brasileiras participando de festivais internacionais.

Mesmo com todo esse avanço, no Brasil ainda temos problemas na distribuição e divulgação dos filmes. E, segundo Rosana, é justamente nesse ponto que a Ancine vai tentar trabalhar mais, fazendo mais lançamentos para produções grandes e pequenas, buscando um caminho para eles.

Alguns comerciais (vídeos com os diretores e atores chamando o público para o Sessão Vitrine) farão a divulgação durante outras sessões, antes das exibições dos trailers. A vinheta do projeto também foi apresentada durante a coletiva:

 

Serviço

Quando? A partir do dia 9 de Fevereiro

Onde? Em diversas salas de cidades do país

Horário? Sessões 19h30

Ingressos? Entre R$12,00 e R$6,00 | R$10,00 e R$5,00

Mais informações sobre a programação e o cartão fidelidade no aqui.

 

Lista dos filmes já confirmados:

A Cidade onde Envelheço, de Marília Rocha

Ficção | 2016 | 99’ | Brasil-Portugal

DATA DE ESTREIA: 9 de Fevereiro de 2017

Waiting for B, de Paulo Cesar Toledo e Abigail Spindel

Documentário | 2016 | 72’ | SP

DATA DE ESTREIA: 2 de Março de 2017

Jonas e o Circo sem Lona, de Paula Gomes

Documentário | 2015 | 81’ | BA

DATA DE ESTREIA: 16 de Março de 2017

O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues

Ficção | 2016 | 118’ | Portugal-França-Brasil

DATA DE ESTREIA: 30 de Março de 2017

Martírio, de Vincent Carelli, e co-dirigido por Ernesto de Carvalho e Tita

Documentário | 2016 | 160’ | PE

DATA DE ESTREIA: 13 de Abril de 2017

Rifle, de Davi Pretto

Ficção | 2016 | 88’ | RS

Taego Ãwa, de Henrique Borela e Marcela Borela

Documentário | 2016 | 75’ | GO

Muito Romântico, de Melissa Dullius e Gustavo Jahn

Ficção | 2016 | 72’ | Brasil-Alemanha

Elon não Acredita na Morte, de Ricardo Alves Jr

Ficção | 2016 | 75’ | Brasil – Argentina

Divinas Divas, de Leandra Leal

Documentário | 2016 | 110’ | RJ

Corpo Delito, de Pedro Rocha

Documentário | 2016 | 74’ | CE

Los Territórios, de Iván Granovsky

Documentário | 2017 | 93’ | Argentina-Brasil

Invisible, de Pablo Giorgelli

Ficção | 2017 | 90’ | Argentina – Brasil

INÉDITO

Meu Corpo é Político, de Alice Riff

Documentário | 2017 | 71’ | SP

INÉDITO

Paulistas, de Daniel Nolasco

Documentário | 2017 | 76’ | GO/RJ

INÉDITO

Lista das Cidades e salas de cinema já confirmadas:

Rio Branco (Cine Teatro Recreio)

Maceió (Cine Arte Pajuçara)

Fortaleza (Cinema do Dragão)

Brasília (Cine Brasília e Espaço Itaú de Cinema Brasília)

Vitória (Cine Metrópolis)

Goiânia (Cine Cultura Goiânia)

São Luís (Cine Praia Grande)

João Pessoa (Cine Banguê e Cinespaço Mag Shopping)

Recife (Cine São Luíz e FUNDAJ Cinema do Museu)

Teresina (Cine Teresina)

Curitiba (Cineplex Batel, Cinemateca de Curitiba e Espaço Itaú de Cinema Curitiba)

Niterói (Cine Arte UFF)

Rio de Janeiro (Espaço Itaú de Cinema Botafogo)

Porto Alegre (Cine Bancários e Espaço Itaú de Cinema Porto Alegre)

Aracaju (Cine Vitória)

São Paulo (Espaço Itaú de Cinema Augusta e Caixa Belas Artes)

Palmas (Cine Cultura Palmas)

Salvador (Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha)

Belo Horizonte (Cinema Belas Artes)

Santos (Cinespaço Miramar)

Belém (Cine Líbero Luxardo)

 

Gostou do meu post? Então compartilha!

Carol Cruz

Uma pessoa completamente apaixonada pela cultura (por todo tipo de cultura), uma produtora vidrada pelo mundo do teatro, principalmente dos musicais. Viciada em uma adrenalina de uma produção, seja ela em um ao vivo ou em um evento. Fofurices me encantam mas Caetano também. Escreve culturalmente através deste blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *