E o Oscar 2017 vai para…

Foto: AFP/Getty Images
Foto: AFP/Getty Images

Depois de muita ansiedade e curiosidade, a espera finalmente acabou! Na noite desse domingo (26) – em pleno carnaval, para a alegria dos festeiros do cinema haha – aconteceu a premiação do Oscar, em Los Angeles, no Dolby Theatre, onde a Academia revelou as melhores produções e melhores profissionais da sétima arte no ano de 2016.

Logo de cara tenho duas coisas para destacar! A primeira é: a apresentação de Jimmy Kimmel que estava muito boa, e que surpreendeu bastante! O texto estava muito bem escrito, o humor estava na medida e a interação com a plateia também. A brincadeira dele com Mel Gibson – provavelmente o único com opinião política diferente presente na cerimônia – foi sensacional. Na verdade, poderia ter sido um pouco mais crítica, mas preferiram algo mais tranquilo. O ator e diretor também entrou na onda da brincadeira tranquila, confirmando e balançando com a cabeça o que o apresentador tinha dito: que, apesar das diferenças, temos que saber respeitar a opinião do outro.

Melhor abertura! Justin Timberlake abre a cerimônia com a apresentação de uma das músicas que concorriam à Melhor Canção, Can't Stop The Feeling em Trolls. Foto: AFP/Getty Images.
Melhor abertura! Justin Timberlake abre a cerimônia com a apresentação de uma das músicas que concorriam à Melhor Canção, Can’t Stop The Feeling em Trolls. Foto: AFP/Getty Images.

A segunda coisa é: o primeiro ato da cerimônia com a apresentação do cantor Justin Timberlake! O músico animou logo de cara todos os profissionais presentes. Todos se levantaram e dançaram, inclusive Nicole Kidman “tentou dançar” – entendedores entenderão -, ao som de Can’t Stop the Feeling, música que estava concorrendo à Melhor Canção pelo filme Trolls.

Momento homenagem. Katherine Johnson recebe homenagem no palco do Oscar pelas atrizes do Estrelas Além do Tempo. Inclusive por Tariji P. Henson que interpretou a matemática no filme. Foto: AFP/Getty Images
Momento homenagem. Katherine Johnson recebe homenagem no palco do Oscar pelas atrizes do Estrelas Além do Tempo. Inclusive por Tariji P. Henson que interpretou a matemática no filme. Foto: AFP/Getty Images

Homenagens…

Uma das homenagens da premiação foi feita pelas atrizes de Estrelas Além do Tempo: Janelle Monáe, Tariji P. Henson e Octavia Spencer. No filme, elas interpretaram as primeiras negras a ocupar cargos importantes na Nasa. E na noite de ontem, elas homenagearam Katherine Johnson, uma das três moças, interpretada por Tariji. Katherine entrou no palco de cadeiras de rodas e fez o público do Dolby Theatre levantar e aplaudi-la de pé por alguns instantes. Logo depois a matemática deu um belo e emocionante: “Thank you very much!”.

Além da participação dos apresentadores, dos jornalistas, produtores, e etc, outro momento especial e emocionante foi a homenagem clássica que a Academia fez (sempre faz) aos que nos deixaram no último ano. Entre eles tivemos o brasileiro Hector Babenco, lembrado e muito bem homenageado!

Jack Chan foi outra personalidade que também recebeu uma homenagem por todo seu trabalho feito no cinema até hoje.

Jack Chan também recebe homenagem no Oscar 2017. Foto: AFP/Getty Images
Jack Chan também recebe homenagem no Oscar 2017. Foto: AFP/Getty Images

Agora vamos falar sobre as premiações? Vamos começar por aquelas já esperadas?

O tão aguardado prêmio de melhor atriz coadjuvante só poderia ir para uma pessoa. A escolhida – é claro – foi Viola Davis, por seu papel em Fences. Esse foi o seu primeiro Oscar e emoção foi o que não faltou em seu agradecimento: “Eu me tornei uma artista, e graças à Deus eu consegui, pois somos a única profissão que celebra sobre o que significa viver uma vida!”. Foi assim que a Viola começou a sua fala. A atriz, bastante emocionada, deixou um pouco de lado o discurso político que vinha fazendo em outras premiações, e focou em agradecer à equipe. Se emocionou ao agradecer aos seus pais: “eu sou tão grata por Deus ter escolhido vocês para me pôr no mundo!”. Até a Emma Stone não segurou as lágrimas enquanto Viola agradecia.

Viola Davis vencedora na categoria Melhor Atriz Coadjuvante por Fences. Foto: AFP/Getty Images.
Viola Davis vencedora na categoria Melhor Atriz Coadjuvante por Fences. Foto: AFP/Getty Images.

A premiação de melhor diretor para Damien Chazelle já era bastante esperada, e foi muito MUITO merecida! Damien trouxe para La La Land uma direção dinâmica, com um toque diferente, e que fez o público prestar mais atenção para o trabalho do diretor. A fotografia – prêmio que o musical também levou – ajudou a compor esse “combo”  para o filme ter um resultado tão bom tecnicamente falando. Tecnicamente, pois sobre o roteiro nós devemos conversar mais sobre ele em outro post. Ah! Ele ainda se tornou o diretor mais novo à levar o Oscar para casa.

Damien Chazelle é nomeado como Melhor Diretor no Oscar de 2017. Foto: AFP/Getty Images
Damien Chazelle é nomeado como Melhor Diretor no Oscar de 2017. Foto: AFP/Getty Images

O prêmio de melhor ator foi BEM polêmico. Para ser sincera, achei super merecido. Casey Affleck levou a estatueta por sua atuação em Manchester à Beira-mar, desbancando Denzel Washington, em Fences. Enquanto twittava, vi que algumas pessoas comentavam sobre uma acusação de agressão e assédio feita pelo o ator premiado. Fiquei bastante chocada. (A gente consome tantas informações ao longo do dia, que algumas acabam passando).

Denzel também merecia muito. Ele, além de personagem principal, também foi o diretor do longa, e não gostou nadinha ao saber que Casey foi o grande vencedor.

Emma Stone passa na frente de Isabelle Hupert e leva para casa a estatueta de melhor atriz por La La Land. Foto: AFP/Getty Images
Emma Stone passa na frente de Isabelle Hupert e leva para casa a estatueta de melhor atriz por La La Land. Foto: AFP/Getty Images

Já sobre o prêmio de melhor atriz, não gostei nada nada. Ainda não assisti Elle, com Isabelle Huppert, mas a atuação de Emma Stone, em La La Land, não merecia vencer na categoria que também tinha Meryl Streep concorrendo por Florence. Mas, apesar da própria Meryl ser a atriz mais indicada ao Oscar na vida, ela também não era a favorita ao prêmio desse ano. A favorita realmente era a francesa Isabelle e seu polêmico filme.

Melhores atores e melhores atores coadjuvantes vencedores do Oscar 2017. Foto: AFP/Getty Images
Melhores atores e melhores atores coadjuvantes vencedores do Oscar 2017. Foto: AFP/Getty Images

E, como vocês já sabem , nada foi tão mais polêmico quanto a entrega da estatueta de Melhor Filme do ano. Todos sabiam que um dos mais cotados para este prêmio era La La Land, de Damien, junto com Moonlight, de Barry Jenkins. E não é que o prêmio realmente passou pelas mãos das duas produções?!

9225c6ee38ce78e1e79fe8e29b7188ae5951de9adb94b6d57c105ac9f130aa3b-683x1024

Na hora da entrega do envelope, com o nome do principal premiado da noite, os produtores, que estavam nas coxias do palco, entregaram para Warren Beatty e Faye Dunaway o envelope errado.

Para entender melhor, vamos compreender como funciona a logística dos envelopes:

Em cada lado do palco ficam envelopes com os nomes dos vencedores da noite e suas categorias, ou seja, só no palco tinham 2 envelopes com os mesmos premiados. Daí a confusão…

Enquanto tinha um envelope na mãe da Emma Stone, tinha um outro igual na mão do ator Warren. No lugar do envelope com o vencedor na categoria melhor filme, entregaram para o ator o segundo envelope de Melhor Atriz. Então, ele só leu Emma Stone – La La Land e não entendeu mais nada. Ficou parado, sem saber o que fazer. Olhava para um lado, e para o outro, e ninguém da produção falava nada. Já Faye Dunaway decidiu pegar o envelope e ler o nome, sem mais nem menos. O nome “mais perto” de algum filme que tinha naquele papel era o de La La Land.

Ou seja, a agonia virou inimiga da perfeição…

E a culpa foi do Warren? Não, não foi. Apenas seguiu o que “estava” no papel. Foi então da Faye? Não, não foi.  Se ela leu direito? Não, não leu. Se ele leu direito? Não, não leu. Pelo menos podia ter parado, ter refletido, e prestado atenção no que estava lendo. Podiam até ter tirado a dúvida com o próprio envelope, onde tinha escrito a categoria. Ele, coitado, ficou sem reação.

Ou seja, tiraram as suas conclusões precipitadas e avisaram que LA LA LAND era o grande vencedor da noite. A equipe do musical chegou à subir no palco, começou a agradecer, mas “do nada” (não lembro como foi a descoberta) uma espécie de silêncio pairou durante as comemorações… foi a partir daí que o houve uma troca de equipe. O produtor anunciou que Moonlight realmente tinham levado o prêmio, e que o próprio fazia questão de entregar para a outra equipe, que subiu, respeitou o “outro ganhador”, e fez um “singelo” agradecimento.

Melhor momento. Produtor de La La Land percebe que não é o nome do musical que estava escrito no papel do envelope de Melhor Filme. Ele, com muito respeito, disse que o próprio fazia questão de entregar o Oscar à equipe de Moonlight, o verdadeiro vencedor. Foto: AFP/Getty Images
Melhor momento. Produtor de La La Land percebe que não é o nome do musical que estava escrito no papel do envelope de Melhor Filme. Ele, com muito respeito, disse que o próprio fazia questão de entregar o Oscar à equipe de Moonlight, o verdadeiro vencedor. Foto: AFP/Getty Images

É isso…

Um Oscar de muitas emoções, de muitas polêmicas. Tivemos resultados variáveis, pouco agradáveis para alguns, e super agradáveis para outros. Além da gente ter tido a maior gafe de todos os tempos do Oscar! Memes não faltarão!

O melhor foi a reação da plateia, que simplesmente aplaudiu mais, e ainda fez cada cara de surpresa mais maravilhosa que a outra! POR FAVOR procurem o meme da Tariji quando ela descobre a troca! #MelhorReação!

Então, sei nem como terminar o post, foi tanta emoção… fique com a lista completa dos vencedores… acho que é isso…

E o Oscar 2017 vai para…

Melhor Filme

E depois de muita confusão, Moonlight leva o prêmio de Melhor Filme do ano. Foto: AFP/Getty Images
E depois de muita confusão, Moonlight leva o prêmio de Melhor Filme do ano. Foto: AFP/Getty Images

Melhor Diretor

  • Denis Villeneuve – A Chegada
  • Mel Gibson – Até o Último Homem
  • Damien Chazelle – La La Land: Cantando Estações
  • Kenneth Lonergan – Manchester à Beira-Mar
  • Barry Jenkins – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Melhor Roteiro Original

  • Taylor Sheridan – A Qualquer Custo
  • Damien Chazelle – La La Land: Cantando Estações
  • Yorgos Lanthimos e Efthimis Filippou – The Lobster
  • Kenneth Lonergan – Manchester à Beira-Mar
  • Mike Mills – 20th Century Woman

Melhor Roteiro Adaptado

  • Eric Heisserer – A Chegada
  • August Wilson – Fences
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi – Estrelas Além do Tempo
  • Luke Davis – Lion: Uma Jornada para Casa
  • Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Melhor  Animação

  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Moana: Um Mar de Aventuras
  • Minha Vida de Abobrinha
  • The Red Turtle
  • Zootopia: Essa Cidade é o Bicho

Melhor Curta em Animação

  • Blind Vaysha
  • Borrewed Time
  • Pear Cider and Cigarettes
  • Pearl
  • Piper

Melhor Atriz Coadjuvante

  • Viola Davis – Fences
  • Naomie Haris – Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Nicole Kidman – Lion: Uma Jornada para Casa
  • Octavia Spencer – Estrelas Além do Tempo
  • Michelle Williams – Manchester à Beira-Mar

Melhor Ator Coadjuvante

  • Mahershala Ali – Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Jeff Bridges – A Qualquer Custo
  • Lucas Hedges – Manchester à Beira-Mar
  • Dev Patel – Lion: Uma Jornada para Casa
  • Michael Shannon – Animais Noturnos

Melhor Atriz

  • Isabelle Huppert – Elle
  • Ruth Negga – Loving
  • Natalie Portman – Jackie
  • Emma Stone – La La Land: Cantando Estações
  • Meryl Streep – Florence: Quem é Essa Mulher?

Melhor Ator

  • Casey Affleck – Manchester à Beira-Mar
  • Andrew Garfield – Até o Último Homem
  • Ryan Gosling – La La Land: Cantando Estações
  • Viggo Mortensen – Capitão Fantástico
  • Denzel Washington – Fences

Melhor Longa Estrangeiro

  • Terra de Minas (Dinamarca)
  • A Man Called Ove (Suécia)
  • O Apartamento (Irã)
  • Tanna (Austrália)
  • Toni Erdmann (Alemanha)

Melhor Curta-Metragem

  • Ennemis Intérieurs
  • La Femme et le TGV
  • Silent Nights
  • Sing
  • Timecode

Melhor Documentário em Curta-Metragem

  • Extremis
  • 4.1 Miles
  • Joe’s Violin
  • Watani: My Homeland
  • Os Capacetes Brancos

Melhor Documentário em Longa-Metragem

  • Fogo no Mar
  • Eu Não Sou Seu Negro
  • Life, Animated
  • O.J.: Made in America
  • 13ª Emenda

Melhor Edição

  • Joe Walker – A Chegada
  • John Gilbert – Até o Último Homem
  • Jake Roberts – A Qualquer Custo
  • Tom Cross – La La Land: Cantando Estações
  • Nat Sanders e Joi McMillon – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Melhor Edição de Som

  • Sylvain Bellemare – A Chegada
  • Wylie Stateman e Renée Tondelli – Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Robert Mackenzie e Andy Wright – Até o Último Homem
  • Ai-Ling Lee e Mildred Iatrou Morgan – La La Land: Cantando Estações
  • Alan Robert Murray e Bub Asman – Sully: O Herói do Rio Hudson

Melhor Mixagem de Som

  • Bernard Gariépy Strobl e Claude La Haye – A Chegada
  • Kevin O’Connell, Andy Wright, Robert Mckenzie e Peter Grace – Até o Último Homem
  • Andy Nelson, Ai-Ling Lee e Steve A. Morrow – La La Land: Cantando Estações
  • David Parker, Christopher Scarabosio e Stuart Wilson – Rogue One: Uma História Star Wars
  • Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush e Mac Ruth – 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi

Melhor Design de Produção

  • Patrice Vermette (design de produção) e Paul Hotte (decoração de set) – A Chegada
  • Stuart Craig (design de produção) e Anna Pinnock (decoração de set) – Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jess Gonchor (design de produção) e Nancy Haigh (decoração de set) – Ave, César!
  • David Wasco (design de produção) e Sandy Reynolds-Wasco (decoração de set) – La La Land: Cantando Estações
  • Guy Hendrix Dyas (design de produção) e Gene Serdena (decoração de set) – Passageiros

Melhores Efeitos Visuais

  • Craig Hammack, Jason Snell, Jason Billington e Burt Dalton – Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Stephane Ceretti, Richard Bluff, Vincent Cirelli e Paul Corbould – Doutor Estranho
  • Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones e Dan Lemmon – Mogli: O Menino Lobo
  • Steve Emerson, Oliver Jones, Brian McLean e Brad Schiff – Kubo e as Cordas Mágicas
  • John Knoll, Mohen Leo, Hal Hickel e Neil Corbould – Rogue One: Uma História Star Wars

Melhor Figurino

  • Joanna Johnston – Aliados
  • Colleen Atwood – Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Consolata Boyle – Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Madeline Fontaine – Jackie
  • Mary Zophres – La La Land: Cantando Estações

Melhor Maquiagem e Cabelo

  • Eva Von Bahr e Love Larson – A Man Called Ove
  • Joel Harlow e Richard Alonzo – Star Trek: Sem Fronteiras
  • Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson – Esquadrão Suicida

Melhor Trilha Sonora

  • Mica Levi – Jackie
  • Justin Hurwitz – La La Land: Cantando Estações
  • Dustin O’Halloran e Hauschka – Lion: Uma Jornada para Casa
  • Nicholas Britell – Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Thomas Newman – Passageiros

Melhor Canção Original

  • “Audition (The Fools Who Dream)” | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul – La La Land: Cantando Estações
  • “Can’t Stop the Feeling” | Música e canção de Justin Timberlake, Max Martin e Karl Johan Schuster – Trolls
  • “City of Stars” | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul – La La Land: Cantando Estações
  • “The Empty Chair” | Música e canção de J. Ralph e Sting – Jim: The James Foley Story
  • “How Far I’ll Go” | Música e canção de Lin-Manuel Miranda – Moana: Um Mar de Aventuras

Melhor Fotografia

  • Bradford Young – A Chegada
  • Linus Sandgren – La La Land: Cantando Estações
  • Greig Fraser – Lion: Uma Jornada para Casa
  • James Laxton – Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Rodrigo Prieto – Silêncio
Gostou do meu post? Então compartilha!

Carol Cruz

Uma pessoa completamente apaixonada pela cultura (por todo tipo de cultura), uma produtora vidrada pelo mundo do teatro, principalmente dos musicais. Viciada em uma adrenalina de uma produção, seja ela em um ao vivo ou em um evento. Fofurices me encantam mas Caetano também. Escreve culturalmente através deste blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *