Medida por Medida e Interpretação por Interpretação

Thiago Lacerda, Luisa Thiré e Marco Antonio Pâmio em Medida por Medida. Foto: Divulgação.
Thiago Lacerda, Luisa Thiré e Marco Antonio Pâmio em Medida por Medida. Foto: Divulgação.

A peça Medida por Medida, que faz parte do Repertório Shakespeare (já falamos sobre ele aqui), se apresentou no Recife e o blog teve o prazer de acompanhar as apresentações. Além da comédia, o projeto também conta com o drama – e que drama – MacBeth (mas sobre ele falaremos em um próximo post).

Medida por Medida conta a história de um Duque (Marco Antônio Pâmio) que implementa na cidade uma lei que que pune toda e qualquer forma de abuso sexual com a morte. Mas a lei estava “sonolenta” até o Duque decidir “viajar” e deixar o governo nas mãos do seu Vice Angelo (Thiago Lacerda).  Mas na verdade o que ele fez foi se disfarçar de Frei e vigiar os seus companheiros, Angelo e Éscalo (Sylvio Zylber – palmas para ele! Interpretação demais! Um gênio de o teatro! Fofo!), durante um tempo. Nesse curto tempo, Angelo traz essa lei com toda intensidade e rigorosidade.  Traz corrupção e hipocrisia também. É assim que a história se desenvolve, quando o Frei vai descobrindo esse lado do seu Vice, e quando o espectador descobre a capacidade de atuação de cada ator.

A intensidade com que eles se jogam no palco é linda. É intensa. Mas não sei se foi desatenção minha, pois não senti o momento do “plot point”. Não percebi muita emoção, não percebi o feeling da personagem “sedutora” com o “traidor”. Apenas percebi o que estava acontecendo depois do ocorrido e pelas falas e gestos. Talvez precisaria de um pouco mais de atenção no momento. Pode ter sido só desatenção minha.

O texto é muito bem adaptado para os dias atuais nem parece ter sido “escrito” originalmente há 400 anos atrás. Ou será que naquela época já existia o que nos choca atualmente? Ele não é só comédia. Ele também traz um pouco de crítica ao nossa atual situação econômica.

No palco,  não só bato palmas para Marco Antônio, Thiago e Luisa Thiré (Isabella), como bato muitas palmas para  Marcos Suchara, o intérprete de Lúcio, que vem com um humor na ponta da língua, na medida. Um ótimo camaleão, ou seria um ótimo puxa saco? Ele parece na hora certa, na medida certa, com um humor certo e com a cor certa. Enquanto o vermelho vem no sangue em MacBeth, o vermelho vem em pequenos detalhes em Medida por Medida. Vem em momentos necessários e nos personagens necessários. Ele traz o lado mais sensual da história, digamos assim.

Já – para mim – o grande pícaro (aquele bobo da corte, aquele palhacinho da história) é o Lourival Prudêncio que faz o Pompeu. Que também vem com um humor certo na medida certa, numa espontaneidade incrível, “parece” que ele está em casa. E está. (Em MacBeth ele também vem com humor impecável. Não é o destaque da peça mas ele quebra no momento certo a intensidade do drama shakespeariano).

Vale falar sobre o cenário. O cenário é “quase” – bem quase – o mesmo de MacBeth. Digamos que a base seja a mesma mas os detalhes não são. E são esses detalhes que trazem toda a diferença de uma peça e de outra. Digamos que a iluminação faça TODA A DIFERENÇA. Enquanto em Macbeth a luz é mais densa, em Medida por Medida ela vem mais forte e mais “alegre”.

Parabéns, parabéns e parabéns para TODO o elenco e produção! Afinal, mesmo o repertório contando com o mesmo diretor, os mesmos atores, e quase os mesmos cenários, nada parece ser o mesmo. O que mais me chamou a atenção, na verdade, foi isso. Como eles conseguiram se transformar – não só fisicamente mas psicologicamente – em apenas uma hora de diferença entre um espetáculo e outro.

Em tempo, eles terminam a temporada em São Paulo no fim do mês.

E acompanhem o próximo post que será sobre Macbeth!

Gostou do meu post? Então compartilha!

Carol Cruz

Uma pessoa completamente apaixonada pela cultura (por todo tipo de cultura), uma produtora vidrada pelo mundo do teatro, principalmente dos musicais. Viciada em uma adrenalina de uma produção, seja ela em um ao vivo ou em um evento. Fofurices me encantam mas Caetano também. Escreve culturalmente através deste blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *