Três Dias de Chuva em cartaz no Recife!

Otávio Martins, Carolina Ferras e Fernando Pavão em Três Dias de Chuva. Foto: Priscila Prade/Divulgação.
Otávio Martins, Carolina Ferras e Fernando Pavão em Três Dias de Chuva. Foto: Priscila Prade/Divulgação.

Enquanto uns curtem o bom e velho forró, outros preferem ficar na cidade. E, é claro que o que não falta na capital é atividade cultural para fazer. Uma delas é assistir a peça “Três Dias de Chuva” que se encontra em cartaz no Teatro RioMar.

O espetáculo, que começou a ser apresentado ontem no Recife, é uma tradução da história homônima do americano Richard Greenberg. No palco três atores e seis personagens. Cada um interpreta duas pessoas diferentes em épocas diferentes. Uma parte se passa em 1995 e a outra em 1960.

Em 1995 temos o Walker (Otávio Martins) e sua irmã Anna (Carolina Ferraz), além do amigo Pip (Fernando Pavão), filhos de dois grandes arquitetos, o Ned (Otávio) e o Théo (Petrônio). Depois da morte de Ned, eles se reúnem para ler o testamento e descobrem que parte da herança é dada a Pip. Assim, gera uma discussão sobre o passado do pai. Os filhos começam a julga-lo como pai ausente.

Já no segundo ato, eles mostram Ned – ainda joem – e o seu sócio Theo, que sonham em construir grandes obras para consolidar seus nomes no ramo da arquitetura. Mas, os sonhos acabam quando Ned se apaixona por Lina (Carolina Ferraz), a namorada do próprio Theo. O mesmo percebe a aproximação dos dois.

Então, não foi atoa que o texto original já foi indicado ao Prêmio Politzer. E a direção e tradução da versão brasileira ficou por conta do grande Jô Soares.

Serviço

Quando? 24, 25 e 26.

Sexta e sábado às 21h | Domingo às 18h.

Onde? Teatro RioMar – Shopping Riomar Recife.

Ingressos? Entre R$40,00 e R$100,00.

Vendas na bilheteria do teatro ou pelo site.

Mais informações no site do espetáculo.

Gostou do meu post? Então compartilha!

Carol Cruz

Uma pessoa completamente apaixonada pela cultura (por todo tipo de cultura), uma produtora vidrada pelo mundo do teatro, principalmente dos musicais. Viciada em uma adrenalina de uma produção, seja ela em um ao vivo ou em um evento. Fofurices me encantam mas Caetano também. Escreve culturalmente através deste blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *