Cansei… Qual é o nosso problema com o cinema brasileiro?

Hoje, estava lendo – como de costume – a coluna de Luiz Carlos Mertén e decidi escrever um pouquinho. Escrever sobre o sentimento de revolta e de não entender mais o que acontece com o nosso cinema.

Lembro de inúmeras discussões com pessoas que – há MUITO – tempo atrás falava: Cinema Brasileiro só é sexo, violência ou comédias bobas. Coisa que não era verdade. Outros filmes existiam mas a população não conhecia.

Hoje temos uma variação de produções ainda maior. Com temas que chegam mais perto da população. Mas ainda não temos público suficiente para singelas duas semanas de exibição.

Qual o problema do cinema brasileiro?

Será que o problema é mesmo dele?

Ou o problema seria da população?

Eles estão lá, com boas histórias, com belos atores e ótimas direções mas as pessoas insistem em falar mal – fazendo uma péssima propaganda – sem ao menos conhecer.

Então a pergunta seria: qual O NOSSO problema?

A variedade de estética é imensa. Mas o nosso público é mínimo. Será que eles não conseguem agradar ninguém?

Essa falta de público interfere na distribuição. A maior complicação do cinema brasileiro.

Ôh distribuiçãozinha para quebrar as pernas de um cineasta.

Enquanto isso, salas e mais salas recebem os blockbuster americanos, e os nossos brasileiros são deixados de lado.

Até quando?

Mas será que esta situação está melhorando?

Bem, pelo menos agora temos a lei onde obriga escolas a exibir produções nacionais para seus alunos. Ótima decisão. Eu, pelo menos, tive a graça de estudar em uma escola que já fazia isso há muito tempo.

Em tempo, temos muitas estreias brasileiras acontecendo mas, para variar, nem todas as cidades receberam os longas de Tata Amaral (Trago Comigo), Claudio Assis (Big Jato), Marcelo Mesquita (ParaTodos), Julio Santi (O Caseiro), Sandra Kogut (Campo Grande) e André Ristum (O Outro Lado do Paraíso).

Prestem atenção. Sempre que um filme estreia, os diretores cansam de falar em entrevistas: Por Favor! Vão na primeira semana! Dependemos do resultado da primeira semana para continuar em cartaz por mais algum tempo.

111

Será que para sempre teremos que escutar isso?

Será que sempre vamos valorizar mais o que é de fora do que o que é nosso?

Qual o nosso problema com o cinema brasileiro?

Gostou do meu post? Então compartilha!

Carol Cruz

Uma pessoa completamente apaixonada pela cultura (por todo tipo de cultura), uma produtora vidrada pelo mundo do teatro, principalmente dos musicais. Viciada em uma adrenalina de uma produção, seja ela em um ao vivo ou em um evento. Fofurices me encantam mas Caetano também. Escreve culturalmente através deste blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *